segunda-feira, 8 de outubro de 2018

Halsey, querida precisamos conversar...


Lá vem a "não me toques", cheia de inveja dos outros, pronta para espalhar mais um pouco de veneno.  (Já pararam para pensar que eu só venho de em ano em ano, mas quando venho faço uma maratona de posts? Devia ser menos previsível)

Voltando ao assunto do post, tal como se pode ver no título, Halsey. Conhecem? Bem, precisamos estabelecer uma coisa, tem artistas que eu gosto e outros, que bem… não podemos gostar de todos, verdade? Camila Cabello e Halsey estão do lado de celebridades a que torço o nariz.

Aviso: Se és fã dela, convido-te a sair da publicação para que não hajam discussões desnecessárias. Obrigada.

Enquanto eu acho que a Cabello é superestimada, a Halsey, digamos, que até há beeeeem pouco tempo, ela gostava de criar polêmicas desnecessárias.
Vamos começar por pontos: 

Quem é a Halsey?

Ashley Nicolette Frangipane, mais conhecida pelo seu nome artístico Halsey, nasceu a 29 de setembro de 1994. É uma cantora e compositora estadunidense. O seu nome artístico é uma referência à estação de metro Halsey Street, em Brooklyn, e um anagrama do seu primeiro nome.
Em 2014, gravou uma canção chamada "Ghost", sendo publicada no SoundCloud. Posteriormente, a canção ganhou atenção e depois de várias reuniões com distintas gravadoras, assinou um contrato com a Astralwerks. Em seguida, lançou o seu EP de estreia “Room 93” a 28 de outubro de 2014 do mesmo ano.

Admito que a ideia deste post veio, mais uma vez, depois de ter lido o post da Cecy Aguilera. Se quiserem ler o post dela, basta clicarem nesta publicação Halsey, maior negra que você respeita, causando por causa do shampoo


Antes de falar das polêmicas em que ela se viu envolta, façam uma breve pesquisa sobre o nome dela, Halsey, e adicionem "polémicas". 

Não vos lembra ninguém? Não? Não vos lembra a Lord, lá nos primórdios da carreira dela que consistia em tentar destruir a carreira de certos artistas? Parece que a Halsey teve um período amargurado da vida dela e andou a distribuir bombas.


Analisando as polémicas:
1ª Polémica que envolve Demi Lovato, Britney Spears e Iggy Azalea.


A polémica da coisa toda aconteceu na entrevista para o The Guardian. A Iggy, ela detonou sem dó nem piedade, a Britney e a Demi, limitou-se a alfinetar. Uma entrevista que se focava no seu último lançamento, acabou por abordar certos assuntos que viraram polémica.
Foi questionada por defender as minorias nas suas músicas, mas mesmo assim, incluiu Quavos no seu disco (rapper acusado de homofobia).

Resposta da H.: Eu acho que ele é incompreendido. Só porque eu escolho ser uma artista socialmente consciente – e eu sou muito boa nisso –, não significa que todos os artistas serão preparados para serem politicamente corretos. Eu não acho que ele é inerentemente homofóbico, acho que ele está num lugar difícil de tentar explicar o que ele quis dizer. Eu concordo que as suas desculpas foram tolas, mas não posso policiar todos.

Peter Robinson, jornalista responsável pela entrevista, destacou que ela deveria se acautelar na escolha das parcerias. É aqui que a Iggy vem à baila.

Resposta da H.: Sim, eu posso. E há muitas pessoas que eu não convidaria para colaborar. Iggy Azalea: absolutamente não colaboraria. Ela tem um completo desrespeito pela cultura negra. Que idiota. Eu assisti a sua carreira se dissolver e foi fascinante.

E daqui veio a maravilhosa hashtag #HalseyIsOverParty, que alcançou os trending topics do Twitter. Até mesmo a Azealia Banks, que tinha desentendimentos com a Iggy, a defendeu.

Azealia B.: Halsey realmente me irrita. Risos. É tudo o que eu tenho a dizer.

Resposta da Iggy A.: É muito estranho você citar uma pessoa que não foi mencionada na pergunta da entrevista. Eu não a conheço, nunca a encontrei, ou interagi com ela de alguma forma, então achei estranho o que aconteceu. […] Mas ela é jovem e espero que ela aprenda a julgar menos quando estiver na mesma posição que os outros. Tenho certeza de que ela também está a ser julgada o tempo todo por pessoas que realmente não a conhecem. Então, acho que talvez seja bom tentar ter um pouco mais de empatia com outras pessoas que estão na mesma situação. […] Acho que fizeram uma pergunta e ela se sentiu desconfortável, e por algum motivo me citou, como se eu fosse uma boa forma para se esquivar. Acho que não funcionou. Realmente, acho que eu não tinha nada a ver com isto. Foi uma coisa estranha para me envolver.

GIF

Já reparam o quanto a Halsey é indecisa? Defende o Quavos que não será conscientemente homofóbico (lembrando que ela se considera bissexual), mas ataca a Iggy com pedras e paus por ter total desrespeito pela comunidade negra (ela também se considera negra, ou como ela diria “Tri-Bi”). Entendem o ponto da questão?

Claro que a Halsey aproveitou para matar mais outros dois coelhos de uma caixa d’água só (erro proposital!), a defensora de todas as minorias como diz, atacou o hit da Demi. Segundo ela, Cool for the Summer reforça o tabu da bissexualidade.

Resposta da H.: Geralmente, a coisa mais próxima da representação gay que se encontra no pop são músicas cantadas por mulheres heterossexuais, e elas são mais sobre conexões experimentais.
    



Tirem as vossas conclusões...    

E a última bomba-prenda foi para a Britney Bitch

Resposta da H.: No começo, eu era ingénua. Pensava que todos artistas faziam tudo sozinhos. Pensava que a Britney Spears tinha escrito as suas próprias músicas.

Britney já escreveu, sim, algumas das suas músicas, e não há problema nenhum cantar músicas escritas por outra pessoa. 

Halsey criou as polémicas e, obviamente, recebeu as respostas. Tanto dos fãs como dos próprios artistas.




Demi Lovato respondeu à alfinetada no Twitter dizendo:
Sabes que a tua música é um hit quando as pessoas ainda falam da letra dois anos depois.

Já a Britney que nem sequer desperdiçou tempo a pronunciar-se, os fãs prontificaram-se a fazê-lo: Quem é Halsey, mesmo?


2ª Polémica "Pareço uma garota branca, mas sou uma mulher negra"

BigWTF Por que é que ela usa o GAROTA para branca e MULHER para negra? Ela quer dizer que as pessoas se referem a ela como branca do género “privilegiada”, sem sal que não sabe nada da vida? Referindo que só as mulheres/garotas/crianças negras sofrem?


Quando Halsey foi capa da edição especial da Playboy americana, um dos temas em grande foco na entrevista foi o facto de ter crescido numa família birracial (pai negro e mãe branca).

H.:Uma das minhas grandes piadas há muito tempo era “eu pareço branca, mas ainda tenho meninos brancos na minha vida a perguntarem-me por que os meus mamilos são castanhos”. De vez em quando eu experimento esses conflitos raciais. Eu pareço uma garota branca, mas não me sinto. Eu sou uma mulher negra. Enquanto crescia, não sabia se devia amar a TLC ou a Britney

WTF?!1 Questão dos mamilos. Lamento informar, mas a cor dos mamilos não indica absolutamente NADA.
WTF?!2 Não sabia se amava TLC ou Britney. Desde quando que a cor tem de influenciar o gosto musical? Eu gosto de R&B e Soul, tenho de parar de ouvir, porque, aparentemente, sou branca?! Acho que a Halsey mete os pés pelas mãos quando quer defender o seu lado birracial, acabando por fazer váriiiiiias divisões e calinadas.

H.:Passo-me por branca. Aceitei isso sobre mim e nunca tentei controlar nada sobre cultura negra que não é minha. Tenho orgulho de estar numa família birracial, orgulho de ser quem sou e orgulho do meu cabelo. Eu sou metade negra. O meu pai gerenciou uma concessionária de automóveis, usava um terno para trabalhar, teve um bom relógio, sempre barbeado, bonito, jogou golfe nos fins-de-semana. E as pessoas vinham até ele, “Então, meu! Como é?’ E o meu pai ficava, “Olá …'”, acrescentou.



WTF3 Usava um terno para trabalhar, teve um bom relógio, sempre barbeado, bonito, jogou golfe nos fins-de-semana. Entendo que ela queira dizer que para um homem negro, isto eram coisas de “brancos”, mas será mesmo necessário frisar o “barbeado”, “bonito”, que jogava golfe? O meu pai é branco e nunca na vida que colocou os pés dentro de um destes campos.



H.:A culpa branca é engraçada, mas este é um momento muito difícil para os brancos que são contra o racismo. As pessoas não querem fazer muito, mas querem fazer o suficiente. Na minha bolha de Los Angeles, estou cercada por muitas pessoas boas e com ótimas intenções. Mas, como eu descobri nesta última eleição, a minha bolha é só uma pequena fração de como este país funciona. Essa é a minha maior frustração em relação à perceção do público a qualquer tipo de ativismo: a mentalidade do “Bem, isso não me afeta”. Abram os olhos, porra.”



WTF4 A culpa branca é engraçada”, “muito difícil para os brancos”. Sou apenas eu que sinto que ela parece falar dos brancos como se não fosse uma deles? Se ser de uma família birracial, não anula o facto de ela se considerar negra, também não anula o facto de ser branca.



Halsey:O objetivo de todos é ser o primeiro a descobrir que alguém está a fazer alguma coisa errada. Uma menina publica uma foto de si mesma com tranças e a primeira resposta será “Isto é apropriação cultural. O que diabos há de errado contigo?” E a menina vai dizer: “Sou metade negra”. Então respondem: “Oh, desculpa. Estás bonita”. Ficamos traumatizados porque tantas pessoas realmente cometeram apropriação cultural, mas nosso instinto é muito reflexivo”, afirma Halsey.

WTF5 Apropriação cultural não é um meio de combater o preconceito? Não será a não-apropriação cultural uma forma de limitar uma cultura às suas fronteiras? Oi?!
Sem esquecer que nunca vi tal conversa desenrolar-se assim nos comentários de uma foto e todo ficar “ah ok.”.

3ª Polémica: O Maldito Shampoo

Tudo começa com o tweet:


 PT: Viajo há anos e é frustrante que a indústria de produtos de higiene dos hotéis ignore as pessoas de cor. Eu não consigo usar este shampoo de pessoas brancas. Nem os outros 50% dos clientes. Tão irritante. 



Obviamente, que foi um convite aberto a críticas:
PT: Tens uma assistente, não tens?  Compra o teu próprio shampoo e para de tornar tudo num problema racial.

PT: Ela tem uma assistente, mas achas que todas as pessoas de cor têm uma assistente? E mais, não podes trazer shampoo nos voos quando viajas. 

PT: Trata-se de comprar shampoo quando chegares ao teu destino e podes trazer shampoo em embalagens de tamanho para viagens.

PT: Porquê comprar quando o hotel o oferece??? Senta lá.



PT: Eu não gosto de shampoo de hotéis, sou uma adulta e trago meu próprio shampoo. O mesmo se aplica a ela, especialmente, se ela sabe que tem cabelo característico de pessoas negras. Todos nós temos especificações e temos que lidar com isso. Sim, é uma inconveniência, mas há imensas delas no mundo lol.

 
PT: Como não consegues entender isto? Ela não se está a queixar sobre a qualidade do shampoo, está a falar sobre haver apenas shampoos genéricos nos hotéis que apenas funcionam para pessoas brancas e nenhum para pessoas de cor. Meu Deus, não é assim tão difícil de entender, e ela está a falar por todas as pessoas de cor.

Oh meu Deus! Halsey representante de toda uma nação!


PT: Sou branca e os shampoos de hotéis também não funcionam no meu cabelo. Lmao

PT: Outra pessoa branca que não entende o ponto

Pois é, outra pessoa branca… mas pelo menos esta sofre por causa do shampoo.

Não pensem que esta discussão acaba aqui, leiam o resto da publicação da Cecy. Realmente, Halsey defende uma nação e... A minha conclusão é a seguinte: serei negra? Cabelo escuro, pele de tom não muito branco, mas não chega a ser negro sequer e olhos claros? Será?!!!! Oh meu Deus! Halsey deu-me as perguntas às respostas, agora consigo ver o sentido da vida! Está tudo tão claro agora!

sexta-feira, 10 de agosto de 2018

como fazemos as pazes



nós temos discutido mais do que deveríamos. sobre coisas com que nenhum dos dois se importa ou lembra porque assim evitamos as perguntas maiores. em vez de perguntar por que nós não falamos eu amo-te tanto quanto antes. nós brigamos por coisas como: quem deveria se levantar primeiro e apagar a luz. ou quem deveria colocar a pizza congelada no forno depois do trabalho. atacando as partes mais vulneráveis um do outro. somos como um espinho espetado no dedo meu amor. sabemos exatamente onde dói.
e hoje as cartas estão na mesa. como aquela vez que tu falaste a dormir um nome que não era nada parecido com o meu. ou na semana passada quando disse que ias chegar tarde do trabalho. liguei e disseram que tu tinhas ido embora fazia umas horas. onde é que tu estavas por umas horas.
eu sei. eu sei. as tuas desculpas fazem todo o sentido do mundo. e eu fico meio nervosa por qualquer coisa e no fim começo a chorar. mas o que tu esperavas querido. amo-te tanto. desculpa-me por pensar que estavas a mentir.
é aí que tu ficas frustrado e colocas as mãos na cabeça. meio a suplicar-me pra parar. meio farto e cheio. a toxina das nossas bocas queimou as nossas bochechas. estamos menos vivos que antes. com menos cor no rosto. mas não te enganes. não importa aonde isso vai chegar nós dois sabemos que tu ainda me queres atirar ao chão.
especialmente quando grito tão alto que a nossa briga acorda os vizinhos. e eles vêm a correr até à porta para salvar a gente. Querido não abra a porta.
em vez disso. engana-me que eu gosto. abre-me como mapa. e com o dedo vai apontando os lugares que ainda queres fuder em mim. beija-me como se eu fosse o centro de gravidade e tu caísses em mim como se a minha alma fosse o ponto focal da
tua. e quando a tua boca estiver a beijar não a minha boca mas outros lugares. as minhas pernas abrir-se-ão por hábito. e é aí que. te puxo pra dentro. te trago de volta. para casa.
quando a rua inteira estiver a olhar pela janela a perguntar porquê tanto barulho. os carros de bombeiros que chegaram para nos salvar não conseguem saber se as chamas começaram pela nossa raiva ou pela nossa paixão. vou sorrir. atirar a cabeça pra trás. arquear o meu corpo como a montanha que tu queres partir ao meio. podes lamber amor.
como se a tua boca tivesse o dom da leitura e eu fosse o teu livro favorito. encontra a página favorita no ponto macio entre as minhas pernas e lê devagar. fluente. com vontade. não ouses deixar nem uma palavra intocada. e eu juro que o final vai ser tão bom. as palavras finais vêm vindo. a deslizar para a tua boca. e quando terminares. senta-te. porque é minha vez de fazer música com os joelhos no chão.
meu bem. é assim. que arrancamos linguagem um do outro com a ponta da língua. é assim que discutimos. é assim. que fazemos as pazes.
- como fazemos as pazes

                   Rupi Kaur in “Leite e Mel

quarta-feira, 8 de agosto de 2018

17 dez 2017




            Hoje, felizmente, não é um desses dias. Tem dias que não quero viver ao pensar que terei uma longa jornada até conseguir o que quero, e outros em que me coloco para baixo por que talvez nunca irei conseguir tais coisas. Muitas vezes fico irritada, vontade de maltratar todos, de chorar, de dormir na esperança que tudo melhore.
            Detesto-me por sofrer de ansiedade antecipada, sofro por muitas vezes querer estar com amigos e quando estou com eles quero estar sozinha. A escrita alivia-me, deixando-me libertar, escrevo sobre uma vida paralela à minha.
            Detesto-me por nunca conseguir fazer algo que me satisfaça 100%, detesto-me por ser como sou. Desde nova que era extremamente magra, naturalmente, até hoje acho-me extremamente magra, demasiado tábua.
            Dou comigo a fazer coisas das quais não me orgulho. Já procurei na Internet e já desenvolvi e esquemas para engordar, descobrindo a comida como um conforto, a qual posso culpar, a qual me dá um certo alívio e raiva quando não posso comer. Mantenho um pequeno “diário” onde anoto com frequência as mudanças ou não mudanças.
            Acho que não sou suficiente para mim, para ninguém. Tenho escrito e lido ótimas histórias de amor, que nunca acontecerão comigo. É aí que me encaro ao espelho e vejo todos os meus defeitos. Tudo o que penso sobre mim, admito é uma forma de tortura. Há um bom tempo que não mutilo, devo dizer, mas ontem, mesmo não me mutilando, pesquisei sobre locais escondidos para voltar a descontar em mim.
            Com isto, engulo tudo e sorrio…
                                                                                    一 texto de 17 de dez de 2017

segunda-feira, 6 de agosto de 2018

Nova geração de cantores é realmente boa ou só ahm?

            Olá! Mais uma 2ªfeira, não é? Sorte que eu estou de férias…

            Sinto que tenho andado muito amarga, pelo que venho a escrever aqui no blog. Na verdade, não passam de opiniões, tento não ofender ninguém e se ofendi. Perdão, pessoas!
            Hoje, mais uma vez, vou falar polemicamente da amada e aclamada Camila Cabello.
            Pois é, felizes? Eu não. Porquê? Preparem-se, vou fazer uma revelação chocante.
            Eu simplesmente não suporto a Camila Cabello.
            Ainda bem que ninguém conhece o blog, porque se fosse conhecido, oh Deus! Quantas bombas e denúncias seriam feitas do blog. Mas uma coisa precisa ser esclarecida, façamos um parêntesis:
            As pessoas, em especial na Internet, precisam intender que tem de haver respeito pela opinião dos outros. Já reparam no ódio gratuito que alguém recebe por dizer meramente ”Eu não gosto de tal pessoa/coisa”? Isto tudo sem a pessoa ter apresentado sequer um ponto onde difamava infantilmente essa pessoa ou coisa. Parem! Somos obrigados a respeitar, mas gostar não! Tal como eu não gosto da Camila e de outros cantores, eu não os persigo nas redes sociais com comentários de ódio. Obrigada.
            Isto veio a propósito de uma matéria na Febreteen.
           Penso que todos a conheçam,  se não a conheces é porque vives debaixo de uma rocha. Mas vamos lá fazer uma breve introdução à Camila dos Cabelos.


Karla Camila Cabello Estrabao nasceu em Cojímar, a 03 de março de 1997. Sendo mais conhecida por Camila Cabello, é uma cantora e compositora norte-americana de origem cubana.
Em 2012, para comemorar os seus 15 anos, pediu aos seus pais para participar no The X Factor, sendo o seu primeiro passo para a fama. No programa, foi selecionada para formar o grupo Fifth Harmony, no qual permaneceu até 2016. A partir deste ano Camila, que já tinha desenvolvido alguns projetos individuais, passou a atuar como cantora solo.



Como referido no texto acima, Camila saiu do grupo no dia 19 de dezembro de 2016, o que fez o Mundo parar, não o meu. Imensas fãs lamentaram a saída da grande (quase única) estrela do grupo no Twitter.

Pouco tempo depois,a Camila escreveu uma carta aberta sobre a sua saída e afirmou que ficou triste com a forma de como os representantes do grupo tinham comunicado a sua saída (verdade, deveriam ter usado fogos de artifício com direito a show especial de saída), desmentindo que o grupo não sabia da sua decisão de seguir solo e que não tinha pedido para que o seu representante comunicasse a sua saída. Obviamente, Fifth Harmony respondeu à carta contando a sua versão da história.
Além de tudo isto parecer um drama do início ao fim, os fãs começaram a popularizar e a editar vídeos que davam a entender que a Camila, pobrecita, era à muito tempo a renegada do grupo. 


            Tudo bem que em alguns momentos ela era realmente ignorada pelo apresentador ou colega de banda, parecia até uma barata tonta (como na thumbnail do vídeo acima), mas não acham um pouco desnecessário darem um mega zoom nas expressões das colegas enquanto a Cabello falava? 
            Não sei quanto a quem lê, mas na minha página do explore do Instagram apareceu uma enxurrada de vídeos que juravam a pé juntos que a Camila era deixada de parte, claro, depois de ter saído do grupo. Ah sério? Para a elevarem é necessário colocar as outras no lixo? São fãs de verdade?
            Outro momento precioso foi quando envolveu a Demi.

            O grupo tinha feito a apresentação e na hora de comentar a apresentação, que não foi das melhores devido à pouca organização delas, a Demi disse que apenas uma delas estava a fazer um bom trabalho. Apenas uma, sem referir nomes. Claro que a curiosidade tinha que bater à porta e os apresentadores insistiram.
            Camila. Apontando o dedo e dizem apenas "Tu!"


            Apesar de ser Lovatic, acho que a Demi agiu terrivelmente. Porquê? Era uma apresentação da primeira semana dos Live Shows, sabem o que é cantar ao vivo com mais pessoas e fazer uma ótima performance, sem falar do nervosismo? Difícil, exato.
            Além, elas estavam ali para aprender e evoluir. A Demi não deveria ter dito qual delas é que estava a desempenhar bem o papel. Elas funcionavam como uma equipa.

            Muito sinceramente, para mim, a Camila não tem uma voz assim tão poderosa, consegue atingir notas altas, porém mesmo assim a voz dela não me parece uma voz tão marcante. Faz-me lembrar a voz delicada e jovem da Britney, sendo a única diferença que a Spears escorrega  no que toca ao fazer ao vivo. Só isso. 
            Não é só a Camila, mas sim todo um grupo de outros cantores que têm uma voz bem delicada, frágil, nada marcante e que fazem um sucesso terrível.
            O que se passa com a voz dos novos artistas? Britney cê está perdoada, garota!

            P.S. É só de mim ou quanto menos apreciamos um artista, mais ele nos aparece em tudo o que é sítio? A Camila dos Cabelos parece perseguir-me e eu nem sequer pesquiso pelo nome dela.
            Charlie volta a perseguir-me com Attention! Perdoado estás!

sexta-feira, 3 de agosto de 2018

Carência de informação ou preguiça de pesquisar?

Estar de férias é tipo isso...

            Olá!! Como vão cactos do deserto? Já se acostumaram com a presença da minha pessoa? Não? Problema vosso.
            Se me propusessem ficar um dia sem usar Instagram por 1M€, bem… eu até perdia o dinheiro, mas pelo menos o Instagram ficava actualizado.
            Não quero dizer que sou literalmente dependente de Instagram e que se mo tirassem, pobre de mim e blá blá blá. Não! Uso bastante o Instagram (que me confere belas pérolas) e é a rede que mais uso. Foi apenas uma piada ali encima.
            Focando no tema de hoje.
            Há algum tempo, estava a vaguear pelo Explore do Instagram, como sempre, e o meu é bastante variado. Aqui aparece-me um pouco de tudo e em diferentes línguas. Não seria nenhuma surpresa encarar um publicação brasileira, é português, não tem nada de anormal.
            Nesse dia, talvez, eu preferia ter queimado o cérebro com ácido para me ajudar a esquecer a carência de informação junta com a preguiça de pesquisar.


            A publicação encontra-se no perfil @ourbitches. O primeiro sinal que a publicação é toda errada, só pelo facto de ter aquele "eh" ao invés de "é" (isto sem referir o facto que nomes de países e a primeira palavra de uma frase são em maiúsculo).

            Para quem não consegue ou tem preguiça de abrir a publicação original, eu explico.
          Fala-nos que Portugal é um lugar (é um país, otário do crl!) bem estranho pelo facto das seguintes supostas "expressões":


          01. Mandar o Bernardo às compras. Significado: Em Portugal, a expressão significa ter relações sexuais.
           02. Dar o peido mestre. Significado: Em Portugal, a expressão designa morrer, falecer.
            03. Punheta. Significado: Em Portugal, punheta quer dizer punhado. Um pouco de qualquer coisa. Uma pequena porção.
            04. Pica. Significado:  Injeção em Portugal


                        Exemplo: Vai tomar uma pica no cú!!!



A minha única reação depois de acabar de ler a publicação
            
            Eu fiquei seriamente preocupa ao pensar que era uma ignorante sobre o meu próprio país. Ninguém usa a expressão "Mandar o Bernardo às compras." ou "Dar o peido mestre." ou punheta com aquela conotação. Perguntei aos meus pais e bem… nem eu nem eles tinham ouvido falar das primeiras expressões.
            Eu juro que pensava que "Mandar o Bernardo às compras" era mandar alguém à merda de forma educada e "Dar o peido mestre" seria soltar aquela flatulência com cheiro a podre em alto e bom som… Não estou a brincar.

            Já quanto à "punheta" (isto são terrivelmente mal), querem um conselho queridos irmãos Brasileiros? Se seguirem o conselho péssimo do site, não entrem num restaurante, em lugar nenhum, okay? A probabilidade, de pedirem algo acompanhado da palavra "punheta", da cara do empregado ser vermelha de tentar conter o riso vai ser enoooorme. P.S. O exemplo que usam, punheta de bacalhau, refere-se literalmente a uma receita com esse nome, não tem nada a ver com quantidades.
            Podemos considerar que a pica é a única que está quuuuase correta, porque usar "pica" invés de "injeção" é maioritariamente dirigido a crianças, sim? Ninguém, para além de uma criança, diz "Vou levar uma PICA no CÚ.", isto dito é rude.
            Isto deixa-me um tanto pouco triste. Hoje em dia, as pessoas limitam-se a fazer uma pesquisa superficial, pegam no que é dito no primeiro resultado do Google e... Voilà!  Pesquisem e tentem saber de fontes seguras (aka pessoas reais que tenham conhecimento do assunto). Só mais uma coisa, o site de onde foram retirados os significados foi do Dicionário inFormal, um site brasileiro a falar de expressões portuguesas. Entenderam, certo?



© Apenas Uma Garota Estranha - 2013. Todos os direitos reservados.
Criado por: Claire Hampton.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo